13 de outubro de 2009

Olimpíadas Rio 2016

por Ricardo Nagato*

Agora é definitivo. O sonho virou realidade. O Rio de Janeiro receberá os jogos de 2016.

Não vou entrar na discussão se isso é bom ou ruim, apesar da esperança de ganharmos infra-estrutura, mais segurança, desenvolvimento esportivo e da desconfiança de não termos legado, termos superfaturamento, contratações sem licitação, etc.

A questão é que agora há muito trabalho a se fazer. Vou me ater ao nosso esporte, o badminton.

Base

O tempo é muito curto, mas ainda há tempo para se investir na base. Afinal, o trabalho de base não servirá apenas para 2016, mas para todo o futuro do badminton no país. Então, temos que investir pesado em escolas, escolas e escolas. Para isso, dependemos dos governos, nos 3 níveis: federal, estadual e municipal.

Alto nível

O Brasil não tem muita experiência em receber um evento de tal nível. Tivemos apenas o Pan2007, onde a competição de badminton foi muito elogiada, comparada a mundiais. Então, é a hora de comprovarmos nossa capacidade. Em minha opinião, temos que trazer mais eventos internacionais para cá. Pelo menos um mundial júnior em 3 ou 4 anos e um mundial adulto ou equivalente em 5 ou 6 anos. Até lá, ampliar o atual Brasil Internacional (realizado em SP) e criar mais um internacional anual no RJ.

Arena

Da mesma forma que no Pan2007, o badminton será realizado em uma Arena provisória. Isso significa que após o Rio2016, não teremos uma arena para o badminton. Isso é preocupante. Sem um local fixo, é mais difícil recebermos eventos internacionais e provavelmente não teremos um centro de treinamento. É esperar (na verdade, cobrar) para ver.

Fonte: Blogminton

* Ricardo Nagato é o atual presidente da Federação de Badminton do Estado do Rio de Janeiro.
Postar um comentário