8 de abril de 2010

História do Badminton no Amapá - 3ª parte

por Aldir Dantas

No mês de julho de 2009 levei o Badminton para várias arenas da cidade ("poeirões" de futebol, como chamamos aqui em Macapá), era um Badminton adaptado, a peteca era acrescida de Durepox para ficar um pouco mais pesada, fazendo com que pudéssemos jogar com a incidência do vento. Foi um sucesso, a aceitação pela criançada foi maravilhosa, fiz com que o então prefeito Roberto Góes entrasse na quadra de areia (adaptada) e jogasse no meio da criançada.

Já em setembro de 2009, meu filho prestes a nascer e eu muito atribulado com trabalho, andava muito estressado e as quadras ainda estavam sem pagamento, optei por me afastar do Badminton e deixei que os praticantes assumissem a responsabilidade das quadras. Infelizmente uma das quadras que era aluga para a nossa prática foi desprezada (acabamos perdendo o horário e a quadra da Tropical), senti um duro golpe, pois o meu intuito maior sempre foi divulgar o Badminton, e em quanto mais quadras se jogasse, melhor para nós.

Depois de um período de 5 meses, recebi um convite do Colégio Seama para que fizéssemos uma apresentação do esporte durante uma aula de educação física do referido colégio. Todos adoraram, e logo surgiu o convite para que implantássemos a modalidade no colégio (atualmente estamos esperando o horário para começarmos). Poucos dias depois, fiquei sabendo que outras escolas e faculdades também já vislumbravam a idéia de colocar o Badminton como prática desportiva (Colégio Moderno, Colégio Atual, Fama e Ceap).

Como se não bastasse, recebi depois de 3 anos de muita luta, horários para praticar o Badminton em um ginásio do governo (Ginásio Paulo Conrado), toda terça e quinta das 19:00 às 22:00h. Foi quando surgiu a idéia de dar apenas treinamento nessa quadra.

Por último, estamos trazendo o I Curso de Badminton para o Amapá, mas isso fica para uma outra parte da história.
Postar um comentário